Refluxo gastroesofágico

http://2.bp.blogspot.com/_AgU1JDQvr9M/SSiqzmxJ8_I/AAAAAAAAB3Y/re1fWPu8m4U/s400/refluxo+gastroesof%C3%A1gico1.jpg
Refluxo gastroesofágico - É o refluxo ácido de um fluxo retrógrado do conteúdo estomacal, em direção ao esôfago. causas
Quando o esfíncter inferior que fecha o esôfago não funciona corretamente, o ácido do estômago volta para o esôfago e, como este carece de revestimentos que o protejam, produz inflamação (esofagite), dor e outras lesões.
sintomas
O primeiro sintoma é uma forte sensação de queimação atrás do esterno. O ardor é causado pelo refluxo mesmo desde o estômago até o esôfago e se estende desde o peito até o pescoço, garganta e rosto. Pode apresentar-se de repente uma regurgitação estomacal até a boca ou um aumento da saliva, e a moléstia aparece na maioria dos casos depois das refeições, ou quando a pessoa afetada está deitada. Se o quadro se complica, pode produzir-se uma úlcera esofágica ou o estreitamento do esôfago, que somado à inflamação, provoca dor ao engolir.
diagnosticos
Mesmo que os sintomas sejam suficientes para determinar o diagnóstico, se sugere descartar a possibilidade de outras complicações, e realizar outros exames: radiológicos, da pressão do esfíncter esofágico inferior, de visualização do esôfago, ou de determinação do pH esofágico, entre outros.
tratamentos
A primeira medida a ser implementada para aliviar a moléstia do fluxo gastroesofágico é elevar a cabeceira da cama uns 15 centímetros durante a hora de sono, o que ajudará a fazer com que o ácido que faz o refluxo não chegue ao esôfago. Outras medidas úteis são suprimir o café, o álcool, e toda substância que promove a produção de ácido no estômago. Um antiácido depois das refeições e antes de dormir pode ajudar a evitar o refluxo estomacal e neutralizar o trânsito de ácido pelo esfíncter esofágico. Devem também ser evitados alimentos como o chocolate ou as gorduras, e o tabaco. Alguns remédios podem reduzir a acidez e outros promovem um fechamento mais eficaz do esfíncter esofágico inferior. A cirurgia só é necessária quando a esofagite provoca hemorragias massivas.